top of page

Aurora na mídia

Página 3 de 4

Juridiquês

Aurora é citado em artigo sobre Linguagem Simples no Judiciário

 

O Projeto TJDFT + Simples foi destaque em blog dedicado ao Movimento para a Linguagem Simples. A publicação é da jornalista e educadora Heloísa Fischer, pioneira e uma das maiores divulgadoras do tema no Brasil. O Aurora, claro, está lá!

 

As pessoas, de maneira geral, não compreendem as decisões judiciais. Falamos e escrevemos para especialistas, sem preocupação em sermos entendidos pelo destinatário final dos serviços judiciais: a população. Ricardo Pippi Schmidt, Desembargador e presidente da Comissão de Inovação do TJ-RS.

 

Ao lado de tribunais de outros estados, como Rio Grande do Sul, Ceará, Goiás, Bahia e Minas Gerais, o TJDFT é mencionado como um órgão que se dedica a se aproximar do cidadão e a facilitar o acesso das pessoas a informações judiciais. A matéria traz alguns dos materiais instrucionais produzidos pelos tribunais, além de normativos que regulamentam o tema nos diferentes órgãos.

 

O Laboratório de Inovação Aurora aparece duas vezes na publicação, como um dos responsáveis pelo desenvolvimento do TJDFT + Simples, junto com a Assessoria de Comunicação Social da Casa, e pelo uso de Linguagem Simples e do direito visual no layout de mandados judiciais, no projeto Cartório 4.0.

 

Confira a publicação completa em: https://comunicasimples.com.br/2023/01/03/juridiques

Logomarca do projeto Comunica simples. Texto: Comunica simples. Ler, entender e agir.

por Aurora - publicado no Yammer em 18/1/2023

Meta 9/2022 CNJ

Violência doméstica: TJDFT cumpre Meta 9 do CNJ e apresenta melhorias para o NJM

Na segunda-feira, 23/1, a Juíza Fabriziane Zapata, coordenadora do Núcleo Judiciário da Mulher (NJM) do TJDFT, participou da reunião de entrega formal das ações desenvolvidas em cumprimento à Meta 9, estabelecida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em 2022. Também estavam presentes representantes da Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão Estratégica (SEPG) do TJDFT, Coordenadoria de Gestão Estratégica e Sustentabilidade (Coges), Assessoria de Soluções em Sistemas Administrativos da Secretaria-Geral do TJDFT (ASIS), Laboratório de Inovação Aurora, Segunda Vice-Presidência (SVP), Núcleo de Gestão de Processos de Trabalho (Nuproc) e Núcleo de Gestão de Riscos e Integridade (Nugri), responsáveis pela elaboração dos serviços. 

Captura de tela de reunião online na qual aparecem 11 mulheres.

A meta prevê estimular a inovação no Poder Judiciário em todos os segmentos. No caso do NJM, notadamente no combate à violência contra a mulher, alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas, como determina o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável  (ODS) 5 da Agenda 2030 da ONU.

Entre os benefícios alcançados, está o cumprimento integral da meta estabelecida para o ano de 2022 e à Agenda 2030 no Tribunal; o fortalecimento das ações vinculadas à Resolução CNJ 245/2018 - Política Judiciária Nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres pelo Poder Judiciário; e atendimento à Resolução 395/2021 - Política de Gestão da Inovação no âmbito do Poder Judiciário. Confira no quadro ao lado algumas das ações que foram realizadas, entre maio e dezembro de 2022. 

Plano de Ações voltado ao ODS 5.

Destaque para a entrega dos estudos para estruturação de Catálogo eletrônico da Rede de proteção às mulheres do DF e entorno a fim de agilizar o atendimento aos públicos. O trabalho foi realizado pela Secretaria-Geral do Tribunal, pela ASIS, SEPG e pelo Laboratório Aurora, que avaliou a viabilidade de adaptação dos sistemas internos para o NJM ou o desenvolvimento de novo sistema e, por fim, a criação de cadastro informatizado para consulta de informações por região administrativa, por serviço ou órgão parceiro. O material foi entregue em dezembro. 

 

Além disso, em cumprimento à Lei 14.133/2021 e em alinhamento ao Programa de Integridade do TJDFT pertinente a ações de equidade e diversidade, foi proposto Acordo de Cooperação Técnica com a Secretaria da Mulher do DF e formalização da proposta, por meio da Portaria Conjunta 145/2022, para instituição de cotas para vítimas de violência doméstica nos contratos de terceirização do Tribunal. A ação foi coordenada pela COGES.

Por sua vez, o Aurora implementou melhorias na página do NJM na internet (acesso às informações e incremento de acessibilidade); bem como realizou, em parceria com os servidores do núcleo e por meio de oficinas e enquetes, a identificação e a estruturação de soluções inovadoras para o atendimento nos juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

“O trabalho do NJM é promover um tratamento igualitário para meninas e mulheres e essa ideia da simplificação da linguagem no nosso site é super importante, porque informação adequada também é cidadania”, comentou a Juíza Fabriziane, após agradecer todos os envolvidos no cumprimento da Meta 9.

Texto: Página do NJM - Simplificação de texto. Antes e depois das telas sobre Violência contra a Mulher exibidas em celulares.

Para conferir algumas das mudanças implementadas, acesse o novo site do NJM, que já está disponível. O próprio botão de acesso ao endereço - encontrado na página inicial do TJDFT, no rodapé à direita - também foi modificado e recebeu um layout mais acolhedor.

Todo esse trabalho vem corroborar a atuação contínua e ininterrupta desta Corte no enfrentamento à violência contra as mulheres, uma luta que é de toda a sociedade.

por ACS - publicado em 25/1/2023, última modificação em 26/1/2023

Visita TRT10

Laboratório de Inovação Aurora recebe visita de comitiva do TRT-10

Fortalecer o intercâmbio de ideias e boas práticas entre os tribunais para fomentar o trabalho colaborativo e a cocriação no desenvolvimento de soluções para o Poder Judiciário é parte importante da atuação do Laboratório de Inovação Aurora do TJDFT. Com essa perspectiva, a unidade recebeu em seu espaço físico, na segunda-feira, 23/1, uma comitiva formada por 10 servidores e servidoras do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região – TRT10.

Os membros da comitiva, lotados na Escola Judicial, da Seção de Responsabilidade e Metas Socioambientais e da Coordenadoria de Governança e Gestão Estratégica do TRT-10, foram recepcionados pelo Juiz Auxiliar da Presidência do TJDFT e Coordenador do Laboratório, Caio Brucoli Sembongi, e pela Coordenadora da unidade, a servidora Mariana Bicalho Machado. Na oportunidade, os visitantes puderam conhecer, dentre outros temas, como se deu a criação do Aurora, o concurso de escolha de seu nome e a governança de seus projetos.

TRT10.jpeg

Como o objetivo da visita técnica era obter informações para dar suporte à implementação do Laboratório de Inovação, Inteligência e Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (LIODS) naquele órgão, entraram em pauta os êxitos e os desafios enfrentados no cotidiano de uma unidade dessa natureza. A composição e a capacitação da equipe do Aurora também despertaram interesse do grupo.

No que diz respeito ao espaço físico, o destaque foi para a apresentação dos elementos inspirados na Neuroarquitetura e no Design Biofílico, projetados para que o ambiente favoreça a criatividade e o bem-estar. Esses recursos impactam de forma positiva o comportamento das pessoas que frequentam e visitam o laboratório.

por ACS - publicado em 26/1/2023

88 modelos de mandados
Expedição 4.0 entrega 88 novos modelos de mandados cíveis

Na sexta-feira dia 27 de janeiro, novos modelos de mandados cíveis, com uso de linguagem simples e direito visual, foram disponibilizados para uso no Sistema Processo Judicial Eletrônico (PJe). Com essa entrega, o Laboratório de Inovação Aurora concluiu a primeira fase do projeto Expedição 4.0. No total, 88 novos modelos foram criados e disponibilizados para as 54 Varas Cíveis, tanto de competência singular quanto mista, e para os Cartórios Judiciais Únicos de competência cível e de Execução de Títulos Extrajudiciais e de Conflitos Arbitrais de Brasília.

O projeto Expedição 4.0 objetiva o desenvolvimento de soluções inovadoras na área de expedição de documentos e cumprimento de mandados, com foco nos usuários e na era digital. Essa primeira fase, por sua vez, buscava a revisão do leiaute dos mandados cíveis, abrangendo tanto o aperfeiçoamento do design dos documentos quanto a simplificação da linguagem.

  

Para o desenvolvimento e avaliação dos modelos, foi criado Grupo de Trabalho multidisciplinar composto por Juízes representantes da Presidência e da Corregedoria; Juízes e servidores de Varas Cíveis; Oficiais de Justiça; servidores da área de Tecnologia da informação e representantes do Laboratório Aurora.  

 

Para o Juiz Auxiliar da Corregedoria Eduardo Rosas, “O Laboratório Aurora segue cumprindo seu propósito de inovar e de tornar a Justiça  acessível à população que precisa do serviço judiciário. Ao entregar 88 mandados cíveis padronizados, com linguagem e visual compreensíveis, facilitamos o entendimento das pessoas acerca dos atos processuais dos quais são destinatárias. Ao mesmo tempo, simplificamos uma tarefa que impacta imensamente as unidades judiciárias, que é a expedição. Parabéns ao grupo de servidores do Laboratório e das varas que contribuíram com esse importante esforço. Nosso tribunal tem o privilégio de contar com pessoas que fazem a diferença”.  

 

Tecnologia  

 

Um dos grandes diferenciais deste projeto foi a inserção dos novos modelos de mandados no Sistema Processo Judicial Eletrônico (PJe), para uso automatizado pelos servidores e servidoras que atuam na atividade de Expedição.  

 

O fluxo de trabalho necessário para a inserção dos documentos diretamente no PJe envolveu a criação de variáveis pela área de tecnologia, bem como de diferentes ambientes de teste para permitir a geração de mandados na forma exigida para impressão pelo sistema E-carta e para cumprimento por Oficiais de Justiça.  

 

Interesse nacional 

 

Desde o início do projeto, diferentes Tribunais de Justiça, bem como órgãos do Poder Executivo e Legislativo, têm demonstrado interesse nos novos modelos de mandados desenvolvidos pelo TJDFT. O uso de linguagem simples, o desenvolvimento de ícones com fundamento em direito visual, e o fluxo de trabalho necessário para geração dos documentos no PJe são os assuntos mais procurados.  

 

Próxima fase  

 

Com a entrega de todos os modelos cíveis priorizados pelo Grupo de Trabalho, a etapa seguinte será conhecer a experiência do usuário com a utilização dos documentos criados. Para tanto, serão realizadas pesquisas com os servidores responsáveis pela expedição nas Varas Cíveis e testes com os jurisdicionados, para se avaliar a recepção do público externo às mudanças de comunicação propostas.  

 

Também se encontra em fase de alinhamento com a Administração Superior a criação de um protótipo da Central de Expedição do TJDFT, unidade especializada na expedição e acompanhamento do cumprimento das comunicações judiciais, inclusive com a adoção dos novos modelos de mandados cíveis desenvolvidos no âmbito desse projeto.  

 

Ainda há muito por vir no projeto Expedição 4.0 e o Aurora está em busca de especialistas para contribuir com a expedição do nosso Tribunal. Se desejar participar desse desafio, basta enviar o seu nome para auroralab@tjdft.jus.br!

por ACS - publicado em 13/2/2023

Balcão Virtual na TV Justiça
Juiz e servidora do TJDFT falam sobre o Balcão Virtual na TV Justiça

Matéria jornalística veiculada pelo Jornal da Justiça, da TV Justiça, destacou o Balcão Virtual do TJDFT, sua comodidade e segurança, nos mais de 350 mil atendimentos realizados até o final de 2022. Na  reportagem, o Juiz Auxiliar da Presidência Caio Brucoli e a servidora Mariana Bicalho, do Laboratório de Inovação Aurora, falaram sobre os benefícios da ferramenta.

 

O Balcão Virtual foi criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no início de 2021, em plena pandemia de coronavírus, com os fóruns fechados ao público e devido à necessidade de isolamento social. O atendimento acontece em tempo real, como no balcão físico, porém, por meio de vídeo e áudio. 

drcaio.jpeg

O Balcão Virtual funciona como o balcão físico, mas o interessado não perde tempo com deslocamento até o fórum. “As partes vêm, principalmente, pedir informações sobre andamentos de processos; querem informações sobre um processo que tenha contra ela ou que ela faça parte, porque receberam algum documento do Oficial de Justiça e tem dúvida sobre esse processo”, afirma o Juiz Auxiliar da Presidência Caio Brucoli sobre os principais atendimentos realizados pela ferramenta. Segundo o magistrado, “99% dos nossos atendimentos são feitos através do balcão virtual, pela comodidade e pela segurança que traz o atendimento”, explica. 

maribalcao.jpeg

A reportagem destacou que a ferramenta ajuda o cidadão que recebe um documento em casa e descobre que é parte de um processo, mas não sabe onde ele está tramitando. “Neste caso, basta ele acessar o sistema do balcão virtual e clicar na opção ‘Preciso de ajuda para localizar o meu processo’, então ele será levado a uma página em que haverá opções de localidades onde o processo dele possa estar, caso ele detenha essa informação ou, se nem essa informação ele possuir, mesmo assim será garantido a ele o atendimento”, afirma a servidora do TJDFT Mariana Bicalho, do Laboratório de Inovação Aurora.

A servidora falou, ainda, sobre o crescimento do número de acessos à ferramenta e da aceitação de advogados(as) e cidadãos(ãs). “A gente verifica 

uma tendência de crescimento nas notas das quatro dimensões que são avaliadas, que são a localização do balcão virtual no site do TJDFT; a facilidade de uso da ferramenta de videoconferência; a qualidade do atendimento prestado; e a satisfação geral com o balcão virtual”, conclui.  

balcaovirtual.jpg

Para acessar o Balcão Virtual do TJDFT, basta acessar o ícone, que está disponível na página inicial do site do Tribunal na internet ou clique para acessar agora. 

por ACS - publicado em 14/2/2023

Aurora no ENASTIC
Laboratório Aurora participa do 10º Enastic no TJMG 

O Laboratório de Inovação Aurora marcou presença no Encontro de Tecnologia e Inovação da Justiça Estadual (Enastic) realizado de 25 a 27 de abril no Tribunal de Justiça de Minas Gerais - TJMG, em Belo Horizonte. A programação do evento contou com palestras e discussões sobre Inovação na Justiça Estadual, Inteligência Artificial, Segurança da Informação, Transformação Digital e Futurismo.

 

A Assessora do Escritório de Projetos de Tecnologia da Informação do Tribunal de Justiça do Distrito federal e dos Territórios (TJDFT), Juliana Nogueira, representou a Casa na programação do encontro. Ela apresentou experiências com uso de OKR’s (Objectives and Key Results ou Objetivos e Resultados-Chave em português) na gestão de equipes em um painel sobre Cases de Transformação Digital.

Servidores do TJDFT em frente a painel do ENASTIC.

De acordo com a organização do evento, todos os Tribunais Estaduais estavam representados nessa que foi a 10ª edição do encontro. Órgãos, agentes públicos e empresas de tecnologia expuseram serviços, produtos, aplicações voltadas à administração pública e perspectivas para o futuro da Justiça e das novas tecnologias. Além disso, o evento fomentou o networking entre os profissionais, instituições e empresas.

Um dos destaques do Enastic foi a palestra do Desembargador Pedro Rosa, que compartilhou suas experiências como gestor de Tecnologia da Informação do Tribunal de Justiça do Espírito Santo  e como magistrado. Ele chamou a atenção para a dificuldade de comunicação entre essas duas áreas e falou da necessidade de maior entrosamento delas para a melhor prestação jurisdicional. 

 

Outra apresentação muito aplaudida pela audiência foi sobre o uso de Inteligência Artificial – Chat GPT - para identificar possíveis incidência de autismo em crianças e adultos. A solução criada despertou interesse pela possibilidade de emprego da tecnologia para além das tarefas operacionais de redigir e corrigir textos, e fazer pesquisas sobre conteúdos diversos, atividades mais solicitadas pelo público em geral.

 

A futurista Letícia Setembro apresentou o painel Líder do Passado e Líder do Futuro. Ela iniciou sua fala com o questionamento: O que

molda a visão das pessoas sobre o mundo e sobre elas mesmas? E ainda falou sobre estagnação – que é estar entre o passado conhecido e o futuro previsível; sobre desenvolver novos caminhos neurais a partir de práticas de meditação, por exemplo; e de viver e agir como se o futuro já fosse o presente, para que ele possa se concretizar. “A melhor forma de prever o futuro é criar o futuro”, declarou a palestrante. 

 

O Enastic fechou sua programação com uma palestra e workshop “Humanware: o emergir das tecnologias humanas”, com Renan Hannouche e Dante Freitas, que falaram do desenvolvimento do potencial humano a partir de tecnologia, consciência e criatividade. Eles ainda promoveram uma dinâmica com o público sobre dilemas fictícios do uso das novas tecnologias, em especial a inteligência artificial. 

 

Enastic em números:


•    3 dias de eventos
•    343 participantes
•    40 instituições
•    47 palestrantes

por Aurora - publicado em 5/5/2023

3º encontro Fonágil
Aurora participa de reunião preparatória para o 51º FONAJE

Na próxima sexta-feira, 12/5, o Aurora – Laboratório de Inovação do TJDFT participa do terceiro e último encontro virtual de preparação para o 51º Fórum Nacional dos Juizados Especiais (Fonaje). O encontro será realizado com outros  quatro Laboratórios de Inovação de Tribunais de Justiça, que estão trabalhando na construção do Fonágil, uma jornada em busca da construção coletiva de soluções para os desafios enfrentados pelos Juizados Especiais.

O primeiro encontro do grupo aconteceu no dia 18 de abril e reuniu, de forma virtual, mais de 20 magistrados e magistradas das cinco regiões do Brasil, para dar início ao Fonágil. A ideia é identificar os problemas, criar soluções e elaborar protótipos, utilizando abordagens inovadoras como o design thinking e métodos ágeis para implementação de mudanças positivas nos Juizados Especiais.

Durante o primeiro encontro, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer as diversas realidades dos Juizados Especiais brasileiros e definir os desafios que serão trabalhados. O objetivo é que os protótipos criados tenham potencial para serem replicados em âmbito nacional e sejam apresentados no Fonaje, que ocorrerá entre os dias 24 e 26 de maio, em Santa Catarina.

A segunda rodada de oficinas do Fonágil aconteceu na última sexta-feira, dia 5/5, também de forma virtual. Na ocasião, três grupos de magistrados, com representantes de todas as regiões, participaram de uma imersão colaborativa, com trocas de impressões e feedbacks entre os grupos

Após uma sessão de estímulo ao desenvolvimento do maior número de ideias possíveis, cada grupo escolheu uma ideia norteadora, que irá liderar os trabalhos da próxima oficina, que acontecerá na sexta-feira, 12/5.

FONÁGIL

O Fonágil, iniciativa surgida no âmbito do Fórum Nacional de Juizados Especiais (Fonaje), foi desenvolvido por cinco laboratórios convidados pela organização do Fonaje: Aurora/TJDFT, Gênesis/TJRO, Ideias/TJPE, JudLab/TJSC e UAILAB/TJMG. As atividades, que devem acontecer até o fim deste ano, buscam contribuir para o fomento à cultura da inovação, uma vez que os participantes terão a oportunidade de exercer habilidades de liderança, trabalho em equipe, comunicação e resolução ágil de problemas.

 

Espera-se que a Justiça brasileira possa se beneficiar dos resultados do Fonágil, com a criação de um novo projeto com replicabilidade nacional que solucione um importante desafio enfrentado atualmente pelos Juizados Especiais. Com iniciativas como essa, é possível perceber que a inovação e a colaboração podem ser aliadas no aprimoramento do sistema Judiciário.

por ACS - publicado em 10/5/2023

Virando o jogo
Laboratório Aurora participa de mentoria para criação de jogo com impacto social

No dia 25 de maio, o Laboratório de Inovação Aurora finalizou o processo de mentoria “Virando o Jogo”, voltado à criação de uma tecnologia social gamificada, fruto de uma parceria da instituição Manual Participativo e da escola de cursos on-line  Descola.

 

Junto ao Aurora, outros três times foram selecionados, em âmbito nacional, para desenvolver projetos de jogos analógicos com impacto social, relacionados a ao menos um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) da Agenda 2030 da ONU.    

Tela de reunião virtual da mentoria de jogo social.

Na primeira etapa, cada equipe teve oportunidade de realizar o curso "Virando o Jogo", oferecido na plataforma Descola. Ministrado por especialistas na área, o curso proporcionou uma imersão nos princípios da gamificação, fornecendo uma base de conhecimento e ferramentas práticas para o desenvolvimento dos jogos.

   

Durante o programa, os participantes contaram com mentorias em sessões coletivas e individuais. Essa abordagem permitiu que as equipes compartilhassem ideias, trocassem experiências e recebessem orientações personalizadas para aprimorar seus projetos. A atuação qualificada dos mentores Igor Arnaldo e Thais Zschieschang foi fundamental para guiar os times no desenvolvimento de jogos com alto potencial para transformar a percepção dos jogadores quanto aos temas propostos.

  

A gamificação tem, aos poucos, ganhado espaço no serviço público, sendo reconhecida como uma estratégia eficaz para engajar colaboradores e promover a inovação. Ao trazer elementos de jogo para o ambiente de trabalho, é possível despertar o interesse, a competitividade saudável e a motivação dos servidores, resultando em um aumento da produtividade e da resolução de problemas.

   

No TJDFT, um dos objetivos da aplicação de gamificação é aprimorar os serviços oferecidos à população, bem como aproximar o Laboratório Aurora dos diversos setores da Casa.  A gamificação também se mostra como uma poderosa ferramenta para o desenvolvimento de habilidades e de capacitação dos servidores. 

  

Em breve, o jogo desenvolvido pelo Aurora no contexto da mentoria estará ao alcance dos servidores e servidoras do TJDFT. Essa nova forma de engajamento e aprendizado permitirá o envolvimento ativo em uma abordagem inovadora e interativa. Para não ficar de fora, acompanhe por aqui as novidades! 

por ACS - publicado em 30/5/2023

Fim 1ª etapa Fonágil
Aurora conclui primeira etapa da jornada FONÁGIL

O Laboratório de Inovação Aurora concluiu sua participação na primeira etapa do FONÁGIL – jornada virtual para a criação colaborativa de soluções para desafios enfrentados pelos Juizados Especiais. Foram mais de 20 horas de reuniões de planejamento e três encontros virtuais com magistrados e magistradas de todo o Brasil. O resultado dos trabalhos foi apresentado, na última quinta-feira (25/5), durante o 51º Fórum Nacional dos Juizados Especiais (FONAJE).

Durante o FONÁGIL, os participantes, divididos em três grupos, identificaram problemas, idearam soluções e construíram protótipos, isto é, versões iniciais das ideias em um formato para teste e avaliação pelos usuários. Os protótipos foram apresentados ao público no FONAJE, evento presencial sediado no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), ocasião em que foi votado o Serviço de Atermação Breve (SAB) como o protótipo vencedor.

O SAB, exposto pela magistrada Flávia Birchal, do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG), é uma plataforma web colaborativa, que busca uniformizar termos e apoiar pessoas que atuam na área de redução a termo (atermadoras) e partes no ajuizamento de ações nos Juizados Especiais. O desenho de seu protótipo foi desenvolvido pela equipe do Aurora e parte dele pode ser conferida abaixo:

Tela de protótipo do SAB - Serviço de atermação breve.
Tela de protótipo do SAB - Serviço de atermação breve.

Superada essa primeira etapa, o Aurora, em conjunto com o Gênesis/TJRO, Ideias/TJPE, JudLab/TJSC e UAILAB/TJMG, se dedicará à elaboração da dinâmica de implementação do projeto, a partir da metodologia do Design Thinking, em um tribunal a ser definido.

O FONÁGIL é uma iniciativa idealizada pelo magistrado Johnny Clemes, presidente do FONAJE, e tem como objetivo fomentar a cultura da inovação e a adoção de métodos ágeis na resolução de desafios dos Juizados Especiais.

por Aurora - publicado em 31/5/2023

Prêmio Innovare
Laboratório Aurora apresenta as tirinhas Seja+simples ao Prêmio Innovare

Na última quarta-feira, 14/6, o Laboratório de Inovação Aurora recebeu o consultor Marco Lara, representante do Prêmio Innovare, para apresentar as histórias em quadrinhos do projeto Seja+simples. Elas fazem parte do Programa TJDFT+simples, de uso de linguagem simples e de direito visual no Tribunal.

A apresentação foi conduzida por Adelyse Morais Lopes, coordenadora substituta do Aurora, e contou também com a presença da coordenadora titular do Aurora, Mariana Bicalho Machado, e do magistrado Coordenador do Laboratório, o Juiz Auxiliar  da Presidência Caio Brucoli.

As tirinhas são inspiradas em histórias compartilhadas pelo público interno do TJDFT. Em seguida, são criadas pelo

tirinhas innovare.jpeg

Laboratório de Inovação Aurora, e desenhadas pela servidora da Ludmila Pereira de Souza do Couto Maciel, do Núcleo de Gestão de Riscos e Integridade (NUGRI).

Para Adelyse Lopes, “escrever  em linguagem simples pode ser um desafio, pois é preciso tempo para repensar o vocabulário que usamos. E sabemos que tempo é um recurso caro, principalmente na área fim. Assim, o que nos ocorreu foi: E se nosso público interno pudesse trocar apenas algumas palavras, em vez de repensar o texto todo? E se as pessoas tivessem acesso a sugestões de como escrever em linguagem simples de forma mais prática e pontual? E se, essa mudança de comportamento pudesse acontecer de forma mais leve? E, então, surgiu a ideia de criar as tirinhas. Com elas, todos nós podemos receber alternativas de palavras mais simples para usar no nosso dia a dia e ainda temos a oportunidade de reconhecer situações reais em que uma pequena mudança de palavras poderia ter feito nossa comunicação mais eficaz”.

Em sua 20ª edição, o Prêmio Innovare busca identificar ações concretas que promovam mudanças relevantes em rotinas consolidadas e que possam ser replicadas em outros locais. Neste ano, o Innovare conta com sete categorias com tema livre: Tribunal, CNJ, Juiz, Ministério Público, Defensoria Pública, Advocacia e Justiça e Cidadania. A categoria Tribunal, na qual foi inscrito o projeto Seja+simples, contempla práticas desenvolvidas por Tribunais.

O Prêmio Innovare deve divulgar os projetos vencedores no segundo semestre deste ano.

por ACS - publicado em 20/6/2023

Diálogos com a Imprensa
Diálogos com a Imprensa: TJDFT encerra oficina com construção de diretrizes para cobertura de casos de violência contra as mulheres

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), por meio do Núcleo Judiciário da Mulher (NJM), do Laboratório de Inovação Aurora e da Assessoria de Comunicação Social do TJDFT encerrou, na manhã desta segunda-feira, 21/8, a primeira oficina Diálogos com a Imprensa, idealizada e promovida para discutir a cobertura jornalística dos casos de violência doméstica e familiar contra as mulheres e feminicídios.

A ação foi totalmente voltada a jornalistas, editores e assessores de comunicação e contou, no primeiro dia, com a participação da Juíza Coordenadora do NJM e titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar do Riacho Fundo, Fabriziane Zapata; e da diretora e editora-chefe do Instituto Patrícia Galvão, Marisa Sanematsu. A entidade paulista é especializada na análise de notícias com perspectiva de gênero, há mais de 20 anos.  

 

Nesse segundo dia de atividades, a convidada foi a Promotora de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), Gabriela Gonzalez, que apresentou estudo sobre o efeito copycat ou efeito contágio nas reportagens feitas

Diálogos com a Imprensa.jpeg

pela mídia dos casos de feminicídio. Entre os dados trazidos, está o de que, nos seis primeiros meses do ano, observa-se uma sequência de mortes (cinco em janeiro, duas em abril e mais cinco em junho), em datas basicamente sucessivas. 

Segundo a representante do MPDFT, o "feminicídio é um crime evitável, não é silencioso”. E questionou: “Será que uma atuação diferente da imprensa poderia ter levado uma dessas vítimas a denunciar, a buscar ajuda, a pedir uma medida protetiva em seu favor?”. A Juíza Fabriziane Zapata disse, ainda, que “tudo que uma mulher vítima de violência doméstica precisa é de um ponto de apoio, ser ouvida sem ser julgada”. 

 

Assim, a Promotora reforçou a importância da imprensa no estímulo ao debate, na conquista de direitos e na construção de políticas públicas. "A mídia é nossa maior aliada na prevenção coletiva. Por meio do trabalho de vocês, é possível mostrar à vítima que tem como se defender, que pode ser diferente", afirmou.  

Guia de diretrizes

Em seguida, as equipes do AuroraLab e do NJM propuseram alguns estudos de caso aos participantes, debate sobre as reportagens estudadas e uma oficina para construção conjunta de um guia de cobertura jornalística sobre o tema.

A ideia é que o guia reúna diretrizes para uma cobertura informativa, descritiva, mais humanizada, não-revitimizadora e com acesso a diversas fontes. 

O evento integra o calendário em comemoração ao 17º aniversário da Lei Maria da Penha, celebrado neste mês de agosto de 2023, e faz parte da programação da XXIV Semana Nacional da Justiça pela Paz em Casa, que aconteceu de 14 a 18 de agosto, simultaneamente, em todos os tribunais do país.

Os participantes que realizaram inscrição receberão certificado de participação.

Fotos: Bel Daher

por ACS - publicado em 22/8/2023

Colabore
Aurora lança novo projeto de colaboração
Colabore.png

Se você se interessa por inovação, não pode perder essa novidade! O Laboratório de Inovação Aurora convida a todos e todas para conhecer e participar de seu novo projeto de colaboração: o Colabore! O propósito é unir os esforços do público interno para impulsionar o desenvolvimento de soluções criativas e fortalecer a cultura de inovação no TJDFT

O Colabore foi inspirado na prática do crowdsourcing, uma forma de interação que une pessoas para um propósito comum. A ideia

é que se forme uma comunidade de inovação democrática,

participativa e propositiva. O objetivo é aproveitar a inteligência coletiva e a criatividade de um grupo diverso para resolver problemas e criar novas soluções.

O primeiro encontro do grupo já tem data para acontecer, 15/9, das 16h às 17h. Nele, os participantes poderão decidir sobre o formato que a comunidade terá e as atividades que realizará, além de questões práticas, como periodicidade e horário das reuniões, que poderão ser tanto virtuais quanto presenciais.

Uma extensão da equipe Aurora 

 

Os membros da comunidade poderão contar com capacitações oferecidas pelo Aurora como ferramentas inovadoras, design thinking, facilitação e Linguagem Simples, dentre outros temas a serem sugeridos pelos participantes. Também poderá acontecer uma série de atividades e iniciativas voltadas à promoção da inovação, como o compartilhamento de conhecimentos e experiências, a realização de pesquisas colaborativas e o desenvolvimento de protótipos, por exemplo.

 

Além das atividades programadas, a colaboração entre os participantes e o Aurora pode se manifestar de várias outras formas, dependendo das áreas de expertise dos envolvidos, dos objetivos dos projetos e das metas estabelecidas. De acordo com a coordenadora do projeto, Luciana Alipaz, “o projeto Colabore representa um passo significativo em nossa jornada rumo a um sistema judiciário mais eficiente e acessível. Ao unirmos mentes criativas e especializadas, podemos enfrentar os desafios atuais com soluções verdadeiramente inovadoras". 

Inscrições abertas

 

Os interessados em participar do projeto podem se inscrever no formulário “Colabore, a comunidade de inovação do TJDFT!”. A expectativa é que essa colaboração multidisciplinar resulte em soluções que impactem positivamente o TJDFT e, por consequência, a sociedade.

Quer saber mais? Envie sua dúvida para o e-mail auroralab@tjdft.jus.br.

Imagem: Canva

por ACS - publicado em 11/9/2023

Recomendação CNJ Linguagem Simples
CNJ publica Recomendação sobre Linguagem Simples
Falamos a sua língua.png

Na sexta-feira, 1º/9, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) reforçou a adoção da linguagem simples no Poder Judiciário com a publicação da Recomendação nº 144/2023. O documento indica o uso de linguagem clara e acessível em todos os atos administrativos e judiciais emitidos pelos Juízos, Tribunais e Conselhos a partir de 1º/9 deste ano, à exceção do Supremo Tribunal Federal (STF). Além disso, o órgão ressaltou que, sempre que possível, deverão ser utilizados elementos visuais para facilitar a compreensão das informações. 

O normativo ainda destaca que ações voltadas à disseminação e ao incentivo da implementação do uso da linguagem simples deverão ser adotadas, como a realização de oficinas e o desenvolvimento de guias, cartilhas, glossários e modelos que auxiliem a simplificação e a uniformização da identidade visual. Para tanto, indica que Laboratórios de Inovação e a área de comunicação social dos órgãos devem ter participação ativa nesse processo.  

 

Programa TJDFT+simples 

 

O Programa TJDFT+simples, inaugurado pela Portaria Conjunta nº 91/2021, colocou nosso Tribunal na vanguarda ao trazer a primeira regulamentação do uso de Linguagem Simples e de Direito Visual no Poder Judiciário

Esse Programa busca ampliar o acesso da sociedade à Justiça por meio de comunicações mais claras, acessíveis e inclusivas, além de uniformizar a identidade visual dos documentos e materiais informativos produzidos no TJDFT. Para promover as práticas no Tribunal, foram criados:

 

  

Todos esses recursos foram reunidos em um repositório na intranet, que disponibiliza modelos de documentos. O Programa TJDFT+simples ainda conta com uma comunidadevoltada ao tema na rede social interna (Viva Engage, antigo Yammer), e com as histórias em quadrinhos Seja+simples, publicadas semanalmente para disseminar, de forma lúdica, alternativas para simplificar textos jurídicos, a partir de situações que acontecem no dia a dia do Tribunal. Além disso, inspirado nos quadrinhos, foi criado o Simplifique, jogo analógico de cartas que traz mais uma alternativa para simplificar o juridiquês. 

Em outubro deste ano, um curso de Linguagem Simples será lançado para o público interno do TJDFT, por meio da Escola de Formação Judiciária. O conteúdo foi produzido com base em toda experiência coletada pelo Laboratório de Inovação Aurora nos últimos anos com a implementação do programa.

Há muitas iniciativas em curso que podem auxiliar na adoção da linguagem simples e direito visual nos atos administrativos e judiciais do Tribunal. Você também pode participar desse movimento e contribuir com a implementação da Recomendação 144/2023 na Casa. Acesse os links disponibilizados nesta matéria e conheça mais sobre o Programa TJDFT+simples.

por ACS - publicado em 12/9/2023

Laboratório de Inovação Aurora realiza oficina de linguagem simples e direito visual no III FestLabs

Na segunda-feira, 18/9, o Laboratório de Inovação Aurora realizou oficina de linguagem simples e direito visual durante o III Encontro Nacional dos Laboratórios de Inovação do Poder Judiciário, intitulado FestLabs, na cidade de Porto Alegre/RS.

Com o tema Desenhando mandados judiciais com Linguagem Simples e Direito Visual, a oficina teve como objetivo apresentar conceitos e diretrizes básicas de como aplicar as técnicas a partir da experiência do Programa TJDFT+Simples e do projeto Expedição 4.0.

A atividade prática envolveu uma rodada do Simplifique – o jogo da empatia linguística, lançado pelo Laboratório em junho deste ano. A ferramenta ajuda a sensibilizar as pessoas quanto à dificuldade que o público em geral enfrenta ao entrar em contato com a linguagem jurídica. Após a atividade, os participantes tiveram que revisar a linguagem e o leiaute de um mandado judicial, com o auxílio do Guia Rápido - Como escrever em Linguagem Simples e do Guia Rápido – Como simplificar documentos.

A oficina, que foi aplicada pelas servidoras Adelyse Morais Lopes e Mariana Bicalho Machado, teve duração de 2 horas e contou com um público de 40 pessoas, entre servidores e servidoras e magistrados e magistradas de Tribunais de Justiça. Segundo a magistrada Ana Paula Araújo, do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE/RN), a experiência de participar da oficina foi muito rica, pois a linguagem simples deve ser uma prioridade do Poder Judiciário, com o objetivo de tornar mais eficaz a comunicação com a sociedade.

“A realização da oficina foi bastante didática, clara. Tivemos a oportunidade de participar do jogo da empatia linguística e percebemos que nós mesmos não entendemos com facilidade

muitas palavras nos textos do Poder Judiciário. Já era um objetivo do Liods do TRE/RN, o Alzira Inova, apresentar um projeto de linguagem simples para revisar nossos documentos. Agora, após essa oficina, será mais fácil iniciar esse trabalho tão fundamental para garantir uma melhor comunicação com o nosso destinatário final. Fiquei bastante feliz de ter participado e parabenizo as servidoras pela excelente apresentação”, completou a magistrada.

FestLabs

 

O III FestLabs ocorreu nos dias 18 e 19 de setembro de 2023 e foi organizado pelo consórcio dos Tribunais dos ramos de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJRS, TJMRS, TRE-RS, TRF4, TRT4 e JFRS). O tema dessa edição foi “Inteligências para a Inovação” e as atividades destacaram três eixos de inteligência: humana, artificial e colaborativa.

Durante o evento, foram realizadas oficinas, palestras, painéis, comunidades de prática, exposição de materiais de laboratórios de inovação e apresentações culturais. Ao final, foi publicado o Manifesto do FestLabs, construído de forma colaborativa por meio de gamificação. O documento traz, como valores do evento: a colaboração, a diversidade e a humanização. Além disso, traz a missão de promover conexão, colaboração e cultura de inovação entre laboratórios, fortalecendo a rede e ampliando o horizonte do Judiciário.

por ACS - publicado em 21/9/2023

Oficina no III FestiLabs
Expedição 4.0 no TJMA
Projeto Expedição 4.0 do TJDFT é apresentado no TJMA

O projeto Expedição 4.0 do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) foi apresentado no Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) na última sexta-feira, 22/9. A exposição sobre o uso de Linguagem Simples e Direito Visual em mandados foi feita pela Coordenadora Substituta do Laboratório de Inovação Aurora, Adelyse Lopes, durante o lançamento do programa “Simplificar é legal”. Na ocasião, o presidente do TJMA, Desembargador Paulo Velten, e o Corregedor Geral da Justiça, Desembargador Froz Sobrinho, assinaram a Política de Linguagem Simples e Direito Visual na Justiça maranhense.

O evento foi realizado em formato de seminário e contou com três painéis na sua programação, com os temas: Simplificação da Linguagem Jurídica e Acessibilidade Textual; Linguagem Simples e Direito Visual em Atos Administrativos e Judiciais; e O emprego da inteligência artificial generativa (IAG) à comunicação na Justiça. Os temas reuniram especialistas como Ester Motta, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); o Desembargador Lourival Serejo, Presidente da Comissão de Documentação, Revista, Jurisprudência e Biblioteca do TJMA e da Academia de Letras do Maranhão; Mônica Saraiva, do Laboratório de Inovação Iris do Governo do Ceará; Márcio Carneiro, jornalista e coordenador do LabCom da Universidade Federal do Maranhão; e do advogado Bernardo de Azevedo e Souza, coordenador do “Visulaw”, primeiro grupo de pesquisa em Visual Law do Brasil.

Expedição 4.0

Expedição 4.0 é um projeto desenvolvido pelo Laboratório de Inovação Aurora e que tem o objetivo de desenvolver soluções inovadoras na área de expedição de documentos e cumprimento de mandados, com foco nos usuários e na era digital. A primeira fase revisou o leiaute dos mandados cíveis, abrangendo tanto o aperfeiçoamento do design dos documentos quanto a simplificação da linguagem.

Ao apresentar o projeto, Adelyse Lopes expôs os desafios que deram origem ao projeto, o seu processo de desenvolvimento e os resultados alcançados. “No total, foram criados 92 modelos de documentos e 54 unidades judiciárias foram beneficiadas”, explicou a

servidora. Ela concluiu sua fala apresentando o resultado de uma pesquisa interna que apontou que 74% dos servidores disseram que ficou mais fácil a expedição de documentos, outros 69% disseram ter um ganho de agilidade, enquanto a diminuição de erros na confecção dos mandados foi apontada por 86% de servidoras e servidores.

Imagens: TJMA

por ACS - publicado em 26/9/2023

Projeto de Linguagem Simples do TJDFT é apresentado no TRE/RJ
Servidora se apresenta em evento no TJMA

Os novos modelos de mandados cíveis desenvolvidos por meio do projeto Expedição 4.0 do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) - redesenhados com Linguagem Simples e Direito Visual - foram apresentados no Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), na última quarta-feira, 4/10. A exposição foi feita pela coordenadora substituta do Laboratório de Inovação Aurora, Adelyse Lopes, no evento “Simples - Linguagem que conecta”. 

O objetivo do órgão carioca era sensibilizar a Casa para a importância de melhorar a comunicação com o público em geral. Além da apresentação, a servidora realizou a oficina “Simplifique: Linguagem Simples para jogar e fazer na prática”. 

O evento inaugurou os trabalhos do TRE/RJ a favor da simplificação da linguagem e destacou a Recomendação nº 144/23 do Conselho Nacional de Justiça, que orienta os Tribunais a implementarem o uso da linguagem simples nas comunicações e atos que editem. 

A programação contou também com as palestras “Desvendando a comunicação complexa: Neurociência e Linguagem”, com Joseane Correa, Auditora Fiscal do Tribunal de Contas de Santa Catarina, e Yna Honda, Chefe de Cartório no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná; e “Compartilhando Experiências de um Estudo de Caso de Implementação de Linguagem Simples na Caixa Econômica Federal”, com a professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro Claudia Cappelli; entre outras.

 

Durante a programação, o público ainda se dividiu para participar de oficinas, como: Linguagem Simples e Visual Law, com Marcia Ditzel, da Justiça Federal do Paraná e Fernando Barros, da Justiça Federal de Minas Gerais; e Linguagem Simples e inclusiva, com Melissa Medroni, servidora do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná. 

Expedição 4.0 

Expedição 4.0 é um projeto desenvolvido pelo Laboratório de Inovação Aurora e que tem o objetivo de desenvolver soluções inovadoras na área de expedição de documentos e cumprimento de mandados, com foco nos usuários e na era digital. A primeira fase revisou o leiaute de 92 mandados cíveis, abrangendo tanto o aperfeiçoamento do design dos documentos quanto a simplificação da linguagem.

por ACS - publicado em 26/9/2023

TJDFT+simples no TRE/RJ
Prêmio Conexão Inova
Projeto TJDFT+simples é premiado na 4ª edição do Prêmio Conexão Inova
Conexão Inova.png

O Projeto TJDFT+Simples ficou em 3º lugar na categoria Linguagem Simples e Comunicação, na  4ª edição do Prêmio Conexão Inova, organizado pela rede Conexão Inovação Pública. A referida categoria avalia projetos, com resultados mensurados, relacionados à linguagem simples, direito visual, facilitação gráfica e ações de comunicação.

O Prêmio Conexão Inova tem abrangência nacional e não se limita apenas ao contexto dos órgãos do Poder Judiciário. Participam  qualquer organização pública, privada, laboratório de inovação, rede ou comunidade, o que releva ainda mais a conquista do projeto do TJDFT.

 

A cerimônia de premiação da 4ª edição do Prêmio Conexão Inova ocorrerá durante o evento Convergência 2024, em abril na cidade de São Luís/MA.

TJDFT+Simples

 

O TJDFT+Simples é uma iniciativa institucional que une linguagem simples e direito visual para ampliar o acesso da sociedade à Justiça, por meio de comunicações mais claras, acessíveis e inclusivas, conforme disposto na Portaria Conjunta 91/2021 do TJDFT.

O Projeto, em seu desenho inicial, é voltado para todo o público interno do TJDFT, a fim de transformar a comunicação institucional com a sociedade. Mas é possível considerar jurisdicionados(as) como público-alvo indireto da ação, uma vez que a facilitação do acesso, da compreensão e da utilização das informações produzidas pelo TJDFT é concebida para afetar diretamente estas pessoas. Além disso, as entregas do Projeto são disponibilizadas ao público externo, como as histórias em quadrinhos “Seja+simples” e o jogo “Simplifique”, o que acaba por dar dimensão e alcance nacional para a iniciativa.

por ACS - publicado em 30/11/2023

Laboratório Aurora realiza oficina no 52º FONAJE
52 fonaje 1.jpg

Nos dias 29 e 30 de novembro e 1º de dezembro, o Laboratório Aurora participou do 52º Fórum Nacional dos Juizados Especiais (FONAJE), em Belo Horizonte/MG, o qual buscou discutir os desafios do sistema judicial brasileiro relacionados à judicialização da saúde. O evento contou com a participação de magistrados e magistradas estaduais de todo o país.

Como novidade para esta edição, o Presidente do FONAJE, Juiz Johnny Clemes, convidou cinco laboratórios de inovação do Judiciário, de diferentes estados do Brasil, para apresentar aos magistrados participantes, por meio de oficinas presenciais, as metodologias ágeis e seus benefícios para a inovação.

Participaram desse time o Laboratório de Inovação Aurora, o Gênesis/TJRO, o Ideias/TJPE, o JudLab/TJSC e o UAILAB/TJMG.

Além das oficinas realizadas, na ocasião foram apresentados os resultados do projeto “Resolve”, um sistema de atermação concebido por magistrados e magistradas de diferentes Juizados Especiais, também em parceria com os laboratórios de inovação, durante a jornada FONÁGIL (Aurora participa de reunião preparatória para o 51º Fonaje) iniciada no 51º FONAJE, ocorrido no primeiro semestre de 2023.

O 52º FONAJE, além de servir como espaço para discussões sobre a judicialização da saúde, também evidenciou a importância da inovação no campo jurídico. O Aurora e os demais laboratórios de inovação, por meio de suas contribuições, exemplificaram como abordagens criativas podem gerar soluções práticas para desafios complexos no sistema judiciário brasileiro.

O Aurora foi representado pelas servidoras Márcia Apoliano Mesquita Arruda e Érica Ferreira de Oliveira Bernardes, que integram o projeto desde sua origem, e contribuíram diretamente para a concepção da dinâmica das oficinas presenciais realizadas.

Mais informações desta edição do FONAJE podem ser conferidas aqui 

por ACS - publicado em 6/12/2023

52 fonaje 2.png
52º FONAJE
bottom of page