imagem: céu em tons laranja com o nascer do sol entre nuvens

Como funciona

Para realizar os seus objetivos, o Laboratório utilizará métodos ágeis e práticas colaborativas, principalmente com base na abordagem multidisciplinar do Design thinking, que nos estimula a enxergar problemas e desenvolver soluções sob a perspectiva central do usuário.

E como isso funciona na prática? Dentro dessa abordagem, o processo criativo pode ser estruturado em etapas representadas na forma de um duplo diamante:

A escolha da figura de um duplo diamante se dá pela natureza divergente e convergente das atividades realizadas ao longo do processo. Dessa forma, em cada diamante, haverá um momento de divergência, no qual serão levantados dados e pensadas soluções, e um momento de convergência, em que será preciso delimitar o escopo e fazer escolhas.

Quanto às etapas do processo, parte-se de uma noção do problema, de um desafio inicial. Como ainda não há grande clareza sobre o problema a ser enfrentado, é preciso explorar ao máximo o contexto, levantando a maior quantidade de dados e informações, a fim de expandir o entendimento  de todos os envolvidos. Assim, essa etapa 1 do duplo diamante, denominada Descoberta, é a fase da empatia, o momento de compreender o usuário, a sua visão de mundo, o que ele sente e como realiza as suas atividades.

 

A etapa 2 do duplo diamante envolve uma análise detida de todos os dados levantados, bem como dos insights das descobertas realizadas, a fim de se convergir para a delimitação do problema a ser solucionado.

 

Assim que o problema for definido com maior clareza, podemos avançar para a etapa 3, de elaboração da solução. Esse é o momento das oficinas de ideação, isto é, de geração de ideias, não com o objetivo de encontrar a ideia perfeita, mas de criar o máximo de ideias possíveis, sem críticas ou julgamentos.

 

Por fim, adentramos na etapa 4, de entrega, na qual selecionaremos as melhores ideias e desenvolveremos protótipos, que serão levados aos usuários para recebimento de feedback, isto é, para verificar o que funcionou e o que precisa ser modificado. Esse processo de testes e avaliações será repetido até que se encontre uma resposta capaz de solucionar de forma efetiva o problema enfrentado.

 

Lembramos que as etapas desse processo não são rígidas, sendo possível retrocedê-las ou repeti-las quantas vezes for necessário para se desenvolver uma solução que efetivamente atenda às necessidades do usuário.

Aurora|Laboratório de Inovação

 

TJDFT 

Térreo do Bloco B – Ala B
Brasília - DF

 

Tel: 061-3103-7000

E-mail: auroralab@tjdft.jus.br

 

 2020 - TJDFT